quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

“Pátria amada” e tão pouco respeitada...

  Kinesianos, ultimamente eu estou observando em algumas conversas com pessoas conhecidas e desconhecidas e nas redes sociais uma falta de nacionalismo saudável, ou seja, correto e na medida certa por parte de algumas pessoas.

Definição de nacionalismo: sm (nacional+ismo1 Preferência acentuada por tudo o que é próprio da nação a que se pertence. 2 Patriotismo. 3 Política de nacionalização de todas as atividades de um país. 4 Ilimitada ambição de poder oriunda da exacerbação do sentimento nacional e cujo fim é conseguir a independência de uma nação, ou estender sobre outras o domínio da própria. Sociol Movimento social pelo qual uma nacionalidade procura autonomia e status.

  Eu percebo que muita gente desvaloriza muito o Brasil, que, por acaso, é a nossa nação e valoriza outras nações, colocando- as no topo, como “intocáveis” e melhores que o nosso país em tudo. Confesso que quando eu era um pouco mais nova eu também era assim, mas eu fui crescendo, amadurecendo, comecei a perceber as coisas de outra forma e refletir sobre alguns assuntos e comportamentos.
  “Ah, eu tenho vergonha do Brasil”, “Nossa, tal país é muitooo melhor que o Brasil”, “Queria ter nascido em tal país”, “Tudo aqui é um lixo” (então você também é, né?!) e por aí vai. Então vamos parar para pensar um pouquinho.
  Bom, eu sei muito bem e já falei muito sobre isso aqui no Kinesis, aliás, todos nós sabemos que o Brasil tem vários problemas que incomodam e precisam ser resolvidos, mas isso não é exclusividade nossa não, pessoas têm problemas, famílias têm problemas e, claro, países têm problemas! Uns mais, outros menos, com maior ou menor gravidade, mas todos têm, isso é inevitável. Às vezes uma nação é melhor que a nossa em um aspecto, mas é pior em outro.
  Uma das razões que faz um país ser melhor, mais evoluído e interessante é justamente a população. Geralmente, as nações com essas características possuem uma população bem nacionalista, que sabe valorizar, respeitar e lutar por melhorias em seu país. Um ótimo exemplo disso é os Estados Unidos e sua população. O problema é que enquanto a população de outros países pensa no seu próprio país, outras pessoas como as citadas anteriormente estão desvalorizando a própria nação e pensando em outra, ou seja, se não está tão bom assim aqui, isso também é responsabilidade dessas pessoas.
   É óbvio que não é errado gostar de outro país e ter certo interesse nem mesmo adotar como uma segunda nação e querer morar. Eu, por exemplo, sempre tive muito interesse pela Itália, gosto e respeito bastante, mas não posso deixar de ter o mesmo sentimento ou mais intenso ainda pelo Brasil, que é onde eu nasci, moro e querendo ou não, é o meu país, que me abriga e acolhe.
  E vamos combinar que se a gente for parar para analisar o Brasil é um país maravilhoso (repito, mesmo com todos os problemas) porque é rico em diversidade de fauna, flora, culturas, religiões, lugares e pessoas. Nós somos um povo que sabe contornar as situações, mesmo com todos os problemas que passamos. Temos alegria em fazer as coisas e quando queremos fazemos muito bem feito.




   Bom, kinesianos, eu espero que quem tem esse tipo de pensamento pare para refletir e ver se está fazendo a coisa certa. Eu acho que desvalorizar o próprio país e cultuar, digamos assim, outra nação só demonstra e reforça um hábito que foi inserido a força no Brasil durante a colonização, já que éramos colônia de exploração e quem não entendeu o que eu quis dizer, pode estudar um pouco mais a história do nosso país e pensar no assunto.
   Beijos e até breve!

Nenhum comentário:

Postar um comentário